Pages Menu
Adaptando a um novo dia a dia

Adaptando a um novo dia a dia

Adaptação é uma das fases mais complicadas, e legais do intercâmbio. É a fase do tudo novo. Quando cheguei aqui, a quantidade de programas para ajudar na adaptação me ajudou muito. A universidade nos recebeu muito bem, tivemos várias palestras com diretores do programa de inglês, diretor da SUNY New Paltz e a apresentação dos professores. Durante quinze dias, tivemos uma palestra por dia, para questões de adaptação, como centro de saúde, segurança pessoal e da universidade, compras na cidade, clubes e fraternidades e dicas de entretenimento. Além disso, temos agora uma vez na semana o Workshop BSMP, que trata de nos ajudar em assuntos do nosso interesse dentro do programa brasileiro. Aprendemos sobre a política nos EUA, as questões raciais, ajuda psicológica e questões profissionais sobre cada curso acadêmico.

Eu não moro sozinha, divido uma suíte, sala, banheiro e quartos com mais seis meninas. Não há uma obrigação para limpeza, mas tentamos manter as coisas arrumadas e limpas. A adaptação à casa foi tranquila, as salas de aulas não tem tantos alunos o que torna o aprendizado melhor. O atendimento dos professores é muito bom. Nos prédios de moradia, existem vários eventos para intercâmbio cultural como as noites com filmes brasileiros, italianos ou turcos e festas para celebrar a cultura japonesa e a noite de São João que nós, brasileiros fizemos. Esses detalhes nos ajudam a conhecer mais gente, fazer mais amigos e pessoas de interesses comuns. Eu moro dentro da universidade, então levo no máximo quinze minutos pra chegar na sala de aula, andando. Além disso, ônibus dentro de New Paltz é de graça para estudantes. Então qualquer ida ao supermercado pode ser mais rápida também.

Noite do Filme Brasileiro

Noite do Filme Brasileiro

Festa de São João SUNY, New Paltz

Festa de São João SUNY, New Paltz

Estamos bem no início do intercâmbio, mas confesso que o valor da bolsa deixou muita gente preocupada, inclusive alguns professores. Mas, acredito que não seja tão pouco, já que temos alimentação e moradia pagas, e não precisamos de transporte, a não ser fora da cidade, pois dentro da cidade o transporte é gratuito. Os gastos extras podem vir dos materiais e de roupas, que também são muito baratos. Até hoje, não tivemos problemas com bolsas atrasadas ou coisas do tipo.

Os gastos são basicamente com viagens, roupas de frio e materiais. Principalmente, porque no início existem muitas viagens para cidades próximas ou mesmo, mais distantes. Ou seja, alimentação, lembranças e até roupas e eletrônicos são coisas que se gastam mais no início do intercâmbio. Além disso, materiais como livros ou similares são às vezes necessários. Roupas e entretenimento, como passeios ou shows podem custar mais caro, mas não tenho particularmente muitos gastos com isso. Como eu disse as roupas não são tão caras e a rotina de estudo é bem intensa, então quando há algum passeio ou viagem, há um dinheiro guardado.

Festa de intercâmbio cultural (Foto de Monami Ishii)

Festa de intercâmbio cultural (Foto de Monami Ishii)

Tenho um plano ilimitado no restaurante principal da universidade. Todo tipo de comida liberada o dia inteiro. O Hasbrouck é versátil pois tem comida vegana, frutas, cafeteria, confeitaria, saladas e pratos quentes preparados na hora por cozinheiros, além de muita bebida. Isso ajuda muito, mas além disso sempre faço compras de algumas coisas no supermercado pra deixar no quarto. Com calma, pretendo experimentar comidas diferentes, pois a cidade tem restaurantes de todo tipo.

Quando estou muito cansada ou quero me distrair, geralmente vou pra uma das cafeterias daqui. A música é boa, o espaço é confortável e eu encontro muitos livros diferentes. Muitos colegas preferem ir a boates, mas até hoje não fui, questão de gosto mesmo. Além disso a cidade é ótima pra andar de bicicleta, principalmente na parte histórica. Quando New Paltz fica pequena demais, os estudantes vão pra Poughkeepsie (uma cidade maior e bem próxima) ou New York, que fica a uma hora e meia de ônibus.

As farmácias são fáceis de encontrar, e remédios para alergias e dores no corpo são acessíveis. Mas New Paltz não tem um hospital. A universidade tem um centro de saúde para emergências, vacinas e atendimentos diversos, mas se alguma coisa muito grave acontece, é preciso tomar um ônibus até Kingston ou Poughkeepsie. Esse é um ponto bem ruim, sem contar que, se for necessário cirurgia ou até um exame mais complexo que o plano de saúde não cubra, pode ficar bem caro.

Tivemos um evento de recepção com diretores de outras SUNYs, conhecemos o diretor do consulado geral que cuida, especialmente, dessa parte de intercambistas do Ciência sem Fronteiras. Isso foi um ponto muito bom pra gente, temos o contato dele e tiramos dúvidas sempre, além de recebermos os convites para encontros de estudantes, mesas redondas e palestras. É importante, e bom, que a rede de contatos se estenda, seja por amizade ou por afinidades profissionais, que com certeza ajudam na adaptação e no crescimento fora do Brasil.

Recepção Oficial - Mesa de Design Gráfico

Recepção Oficial – Mesa de Design Gráfico

Estar sempre ciente de quanto dinheiro é gasto por mês é muito bom. Fazer um controle inicial também, nunca aconteceu por aqui, mas já ouvi falar de bolsas que atrasam e se o estudante está em momento crítico, a única coisa que terá a fazer é esperar ou pedir ajuda a parentes no Brasil.