Pages Menu
Faculdade, intercâmbio cultural

Faculdade, intercâmbio cultural

Estudo na Sapienza Università di Roma, uma das maiores faculdades da Itália. Além disso, é uma das faculdades que mais aceitam alunos intercambistas, só do Brasil foram mais de 100! Somado com os estudantes do Erasmus, é algo normal no corredor se escutar diversas línguas diferentes sendo faladas. Assim como em toda Roma que, por ser uma cidade turística, há pessoas de diversos países em todos os lugares falando suas línguas.

A forma de ensino aqui na Itália é completamente diferente da brasileira e tive muita dificuldade de entender como funcionava inicialmente, por isso acho que não consigo explicar muito bem. Mas, por exemplo, se pode fazer qualquer matéria de qualquer curso que você quiser, contanto que seja da mesma área, sendo assim eu poderia escolher matérias de design, gráfico ou industrial, e arquitetura. Também não são todas as aulas que tem presença, é uma escolha do professor.

Bom, uma das matérias que escolhi fazer aqui é oferecida apenas na língua inglesa, por esse motivo, acredito eu, há um número enorme de estudantes estrangeiros na sala de aula. Inicialmente fiquei um pouco decepcionada, pois queria ter maior contato com italianos e não seria ali, mas mesmo assim quis fazê-la, pois seu tema me interessou muito. Acabou que com o tempo mudei completamente meu pensamento. Verdade, não tive contato com italianos nessa aula, muito menos pratiquei a língua, mas tive outra experiência, igualmente enriquecedora. Tive contato com alemães, chineses, franceses, indianos, entre muitos outros. Seus sotaques completamente diferentes, que no inicio se tornava extremamente difícil entender o inglês de cada um, acabaram por ser mais uma forte lembrança da variedade de cultura que estava entre aquelas quatro paredes.

Por ser uma matéria com raízes na filosofia havia um novo tipo de debate a cada aula, e cada pessoa tinha uma visão completamente diferente devido a sua cultura, religião e ideias. Dessa forma eram debates sempre muito interessantes, até mais, ouso a dizer, do que em uma sala de italianos.

Um dos momentos mais interessantes foi quando para um trabalho tivemos que apresentar um objeto criado e utilizado pela nossa cultura, tínhamos de contar sua história e sua importância cultural. Foi uma ótima oportunidade de conhecer um pouco mais de vários lugares do mundo, sem sair da sala de aula, aumentando ainda mais a vontade de conhecer esses lugares.

Conheci um pouco mais de coisas com grandes significados que desconhecia. Como uma menina indiana que nos contou a história de alguns deuses famosos por lá e também da importância do uso das pulseiras utilizadas pelas noivas em seus casamentos.

Pulseiras no braço de uma noiva indiana

Pulseiras no braço de uma noiva indiana

Um aluno alemão contou a história dos símbolos dos semáforos, que são encontrados em apenas uma parte de Berlim, pois foram criados quando a cidade ainda era separada e, mesmo tentando tirá-los de circulação, a população quis mantê-los, virando hoje um ícone da cidade.

Ampelmann

Ampelmann

No geral, acredito que esta tenha sido a matéria na qual mais tirei proveito, não só do conteúdo provido pelo professor, mas também pela contribuição de cada aluno em sala de aula, cada uma de suas visões completamente diversas umas das outras. Enfim, essa matéria foi um verdadeiro intercâmbio cultural.