Pages Menu
Limites e descobertas na vida acadêmica

Limites e descobertas na vida acadêmica

Sempre gostei de pensar na minha vida como uma grande peça de teatro onde a comédia e o drama se revezam dentro do enredo. Foi assim nos últimos 23 anos em Belo Horizonte, porque seria diferente hoje, a quase 9 mil quilômetros de distância?

O palco da novela atual se chama Dublin Institute of Technology, DIT para os íntimos ou Institiúid Teicneolaíochta Bhaile Atha Cliath para quem fala irlandês. Antes que eu me perca nos detalhes sobre a minha vida acadêmica em Dublin, preciso confessar que sabia muito bem o que estava fazendo quando escolhi essa faculdade. Sabia que estaria abdicando de uma universidade mais completa e com uma estrutura excelente para poder morar na capital da Irlanda, que me parecia ser a melhor opção. Algumas vezes me arrependo dessa escolha, mas eu sabia bem no que estava me metendo – minha intuição tinha me avisado, as fotos tinham me avisado, as confusões de comunicação logo no início tinham me avisado. Ainda assim, lá fui eu.

Lift off: DIT’s Graduate Art and Design Exhibition 2015

Lift off: DIT’s Graduate Art and Design Exhibition 2015

Apesar de não ser uma universidade, o DIT é bem maior do que parece. Talvez por ter várias divisões internas e por ser fragmentado em vários prédios ao redor da cidade, tem-se a impressão de que não cabem tantos alunos ali e de que nada realmente acontece. Com tantos centros de pesquisa, exposições de trabalho e um campus novinho em folha sendo construído, eu diria que várias coisas acontecem ali, sim. Não consigo parar de pensar no quanto essa faculdade me lembra a UEMG – porque será, não é mesmo?

Cometi muito erros dentro do DIT, a começar pela escolha do curso. Aqui faço o mesmo que aí, com a diferença de que o curso de Design de Produto oferecido pela UEMG me dá muito mais possibilidades do que o daqui. Durante os 4 anos de curso, eles têm matérias um pouco rasas sobre História da Arte, Marketing, Ferramentas do Design Criativo (por exemplo), e dão grande ênfase nos aspectos projetuais do Design – Materiais de Produção, Modelagem, CAD, Cálculo. Eles tem Cálculo. Talvez ninguém compartilhe do meu desespero de saber que alunos de Design estudem Cálculo, mas deixo aqui meu protesto mesmo assim.

Eu vim para Dublin com a ideia fixa de me integrar mais nas tecnologias do Design e me envolver em mais projetos práticos, mas assisti de camarote essa minha intenção ruir à medida que fui convivendo com meus colegas de classe e meus professores. O nível de incompatibilidade entre minha sala e eu foi tão grande que minha vontade de permanecer ali, trabalhando em grupo, foi de dez a zero em questão de dias – e foi mesmo incompatibilidade, nada muito pessoal. Nas primeiras semanas, troquei algumas matérias e redirecionei meus esforços acadêmicos para o ramo da antropologia e da cultura visual.

Hoje faço matérias de Design de Produto, Belas Artes e Comunicação Visual, e a cada dia a faculdade se mostra mais aberta e mais acolhedora – algo que no começo me parecia impossível. Muito disso tem a ver com o fato de que, aparentemente, estou começando a entender a dinâmica interna da faculdade. Por causa das diferentes matérias, frequento dois campus aqui: o DIT Grangegorman Campus (ainda pretendo falar mais sobre ele em próximos posts) e o DIT Bolton St. Campus. O primeiro é onde ficam, atualmente, os cursos mais voltados para as artes criativas. Supreendentemente, o Design de Produto fica no segundo, junto com as engenharias. Não é de se espantar que o perfil dos professores nos dois lugares seja bem diferente, é quase como uma distinção clara entre Exatas e Humanas. Mas isso é só brincadeira, claro. Ou não.

De qualquer forma, todo o corpo docente do DIT é de extrema competência. Todos os professores são gentis e muito competentes, e não medem esforços para ajudar os alunos seja em projetos ou em exercícios dados em sala de aula.

O sistema de provas por aqui é algo bem mais rígido que no Brasil. Como as matérias que peguei são Continuous Assessment e exigem apenas trabalhos escritos e artigos, não tive que me preocupar com isso. As provas são organizadas por um departamento específico e a única relação com os professores é que são eles que criam as questões. Nos dias de aplicação, todos os alunos fazem as provas no mesmo lugar e ao mesmo tempo ; é uma situação bem formal, que acontece entre dezembro e janeiro.

Ainda estou me acostumando com o DIT, e ainda me sinto desconfortável nas matérias do meu curso original, mas não me sinto mais culpada por isso; a adaptação é feita a partir de um equilíbrio entre o que você gosta e o que você precisa fazer, e está tudo bem se você não gostar de certas coisas. Com o tempo vai tudo melhorando. A vida é isso mesmo, hora drama, hora comédia.

Um gostinho do que tem me encantado por aqui: https://www.youtube.com/watch?v=pklENHZplKU