Pages Menu
Preparativos para a viagem

Preparativos para a viagem

Os preparativos que antecedem a viagem são muito desgastantes, a documentação é extensa e demanda muito tempo. O passaporte é o primeiro passo, ele dá início à retirada dos próximos documentos. Uma dica é sempre começar a preparar tudo com muita antecedência, pois, sempre demora alguns dias para que fique pronto e se um documento depende de outro, é necessário tempo.

Depois do passaporte os documentos de saúde, seguro e vacinas também são necessários para dar entrada no visto de entrada no país de destino. A bolsa da CAPES disponibiliza um auxílio para seguro saúde. Fiz o meu com a Porto Seguro, o plano 365Ouro que cobre toda a Europa, mas, além deste, também fiz o IB2 que é um documento que dá direito aos brasileiros residentes na Itália de utilizarem o sistema público de saúde do país (um acordo feito entre o Brasil e a Itália) mas, o seguro particular é indispensável. Em alguns países não é necessário ter a comprovação da Anvisa de que se está vacinado contra a febre amarela, na Itália, por exemplo, não é necessário, mas, como estou morando por um ano na Europa e com possibilidades de conhecer outros países, preferi fazê-lo e evitar problemas quanto a minha entrada em algum país onde é necessário comprovar que sou vacinada contra a febre amarela. A vacina é gratuita e muito simples de fazer é só levar o cartão de vacina na Agencia Sanitária mais próxima de sua casa, fica pronto na hora, e na hora também é possível tomar outras vacinas pendentes.

As minhas passagens comprei pela Mappa Turismo, mais ou menos dois meses antes da minha viagem. Agências de viagens sempre tem pacotes especiais para estudantes intercambistas, o que facilita muito, pelos descontos e pela facilidade de encontrar a companhia aérea mais barata. E o quanto antes, da data viagem comprar, melhor, os preços são muito melhores e compensadores.

O visto de entrada no país varia de país para país, para a Itália era necessário: o seguro saúde particular ou o IB2, o passaporte, as passagens de ida e volta e alguns formulários que devem ser preenchidos no próprio Consulado. Tirar o visto é um passo um tanto quanto complicado, pois precisa de muita documentação, muitas cópias e demora em torno de quinze dias para ficar pronto, então, como disse anteriormente, tudo quanto antes começar, melhor.

Depois de resolvida toda a documentação, o próximo passo é a troca da moeda. Uma dica importante é sempre ver o valor da moeda em reais para não perder dinheiro, no meu caso troquei todo o dinheiro de reais para euros e como minha cidade era Milão trouxe mil euros em espécie e todo o resto também em euros em um cartão VTM – Visa Travel Money, feito em qualquer casa de câmbio, é seguro e prático como dinheiro.

Como cheguei em Milão no fim do verão e, por morar no Brasil, não tinha tantas roupas de frio, então optei por trazer mais roupas de verão e algumas poucas roupas de frio. As roupas de frio do Brasil não suportam o frio europeu, e optei por comprar roupas de inverno quando começasse o frio.

Quando cheguei em Milão comprei um chip de uma operadora de celular local (WIND) com internet, mensagens e ligações para números italianos ilimitados e coloco créditos adicionais para fazer ligações para o Brasil ao custo do primeiro minuto de 24 cents de euro e os subsequentes de 8 cents de euro.

Com relação a moradia minha Universidade ofereceu uma residência, da própria Universidade, aos alunos intercambistas do Ciência sem Fronteiras, no primeiro mês da nossa estadia na cidade. Posteriormente, optei por alugar um apartamento dividido com uma amiga, pois a residência era um pouco cara, longe do centro e tinha alguns problemas (a cozinha era comunitária e a geladeira não funcionava muito bem).