Pages Menu
Vá onde os Titans vão!

Vá onde os Titans vão!

Aqui estou eu, há onze meses em Fullerton. Em tanto tempo, visitei muitos lugares, mas é aqui que eu aprendi a chamar de lar. Como eu mencionei em um dos meus posts no semestre passado, a cidade é pequena, mas há alguns lugares para conhecer. Alguns deles são: Muckenthaler Art and Cultural Center – um centro de exibições, performances e programas de entretenimento educacional, Laguna Lake Park – um espaço para caminhar, correr, andar à cavalo e de bicicleta, pescar e fazer piquenique, e The Fender Visitor Center – um museu de instrumentos da Fender Musical Instruments Corporation, um dos maiores fabricantes de guitarras, amplificadores e contrabaixos dos Estados Unidos. A Cal State também sempre oferece exposições e atividades on campus para que os estudantes interajam entre si e com a universidade em momentos extraclasse.

Exposição da Nickelodeon, hospedada pela galeria de arte do complexo de Visual Arts na CSUF

Exposição da Nickelodeon, hospedada pela galeria de arte do complexo de Visual Arts na CSUF

Vista da roda gigante para o Spring Concert, evento annual de música organizado pela Cal State Fullerton

Vista da roda gigante para o Spring Concert, evento annual de música organizado pela Cal State Fullerton

Todavia, eu não vim aqui hoje apresentar minha cidade de novo, mas sim para compartilhar alguns lugares que conheci nesse período de quase um ano, que se tornaram especiais para mim e que não costumam entrar no mapa de visitantes da cidade da Gwen Stefani. O primeiro lugar que eu trago aqui se chama Kopan Noodle House, uma casa japonesa especializada em ramen e noodle. Esse estabelecimento é diferente de todos os outros que eu já havia ido no estilo. Luz baixa, móveis de madeira, os atendentes bem atenciosos… É como estar visitando um amigo. A comida é uma delícia! Dá para comer bem sem gastar muito. E o melhor: você pode fazer como eu e comer um polvo bebê. Dá dó, mas é tão gostoso…

Eu, bem aventureira, comendo um baby polvo

Eu, bem aventureira, comendo um baby polvo

Outro lugar muito gostoso de passar o tempo aqui em Fullerton se chama Night Owl. Este é um café que fica aberto até às três horas da manhã, o que – por lei – é mais tarde do que todos os nightclubs na Califórnia. Também tem um estilo bem aconchegante e casual, com sofás, cadeiras de madeira, esculturas nos cantos, papéis de parede, quadros e cortinas. Há, ainda, uma área externa, com lâmpadazinhas penduradas cobrindo todas as mesas – é onde o estabelecimento recebe shows de artistas locais. Um quê de Central Perk (Friends <3), um quê entre funky e boêmio… Além do espaço ser super agradável, o atendimento também é muito bom. Os funcionários são hiper gentis e divertidos. Enfim, é um ótimo lugar para ter um late coffee, ler um livro no seu canto ou ouvir boa música conversando com amigos. Esse lugar é tão gracinha que ainda há um mural no qual você pode deixar um desenho como um sinal de sua passagem.

O último lugar que eu venho apresentar é, na verdade, o primeiro lugar que ganha os brasileiros na Cal State Fullerton: um bar chamado Brian’s. Calma, deixe-me explicar! Eu não sei quem começou essa tradição, quando eu cheguei aqui, já fui sendo coagida a fazer parte dela, mas a ordem é clara: toda quarta-feira é dia de Brian’s. Este é mais um lugar aconchegante, com um espaço pequeno, algumas mesas nos cantos e uma grande mesa no meio feita para ser compartilhada, e tudo demonstra que a intenção do estabelecimento é fazer as pessoas transitarem e interagirem. Jogos como sinuca e dardos estão disponíveis, e uma jukebox, que – atenção – contém músicas brasileiras, faz a diversão de todos. Ninguém vai ao Brian’s numa quarta-feira e sobrevive a essa tradição sem conhecer alguém. Pelo menos uma alma viva vai te olhar e sinceramente dizer: “você é novo(a) aqui, né? De onde você é?”. Grandes amizades surgiram lá e, para todos nós, quarta-feira e Brian’s são sinônimos de pausa das aulas e dos trabalhos para trocar ideias com amigos e descobrir as aventuras pelas quais cada um de nós passa por aqui.

Brasileiros e agregados reunidos em frente ao Brian’s na despedida do Edital 156 do Ciências sem Fronteiras, em dezembro de 2015. Quero ver me achar nessa foto!

Brasileiros e agregados reunidos em frente ao Brian’s na despedida do Edital 156 do Ciências sem Fronteiras, em dezembro de 2015. Quero ver me achar nessa foto!